Continuo a refletir sobre a questão “O Bailarino tem que ser magro?”, o que é “ser magro”?, até que ponto a necessidade de “ser magro” ajuda ou atrapalha uma carreira?

Pensando nisso busquei ajuda de duas pessoas que dividiram a caminhada da dança comigo em momentos distintos da minha carreira.

Hoje posto sobre a Bruna Bizzotto. Bruna estudou comigo no Centro de Formação Artística do Palácio das Artes – CEFAR. Dividimos turmas, coreografias e até o mesmo papel como solistas. Enfrentamos juntas a pressão do “senão você não subirá ao palco” ou “senão você será substituída”, acredito que nos tornamos mulheres mais fortes. Mas a custo de que?

Bruna dividiu alguns sentimentos dela conosco:

“Sempre passei por esse problema do físico! Nunca fui magrinha e sempre tive bumbum e coxas avantajadas que me fizeram ouvir sempre que estava gorda, que para conseguir um papel ou mesmo me manter na cia teria que emagrecer e ficar igual fulana… Sempre!

Passar por isso, num período tão complicado como a adolescência, teve (e ainda tem) reflexos diretos na auto estima, na confiança e em diversos outros aspectos da vida! Eu era uma boa bailarina, esforçada, dedicada e talentosa. Sei reconhecer isso hoje mas antes era impossível pra mim! De nada adiantava ser boa sem ser magricela! Certa vez eu fui na minha fisioterapeuta anja (Andrea Mourão) e ela me disse que eu estava bem magra. Eu contei que minha diretora havia acabado de me falar que eu tinha que emagrecer uns 5 quilinhos pelo menos. Ela me sentou, me disse que se eu emagrecesse mais que aquilo, ia comprometer meu ciclo menstrual e que eu perderia massa muscular tão importante para o trabalho de um bailarino (e principalmente para o tipo de trabalho da cia que eu dançava).


Bruna Bizzoto

Minha criação e apoio familiar principalmente por parte da minha mãe nunca me deixaram adoecer (apesar de diversas tentativas de tomar remédio escondido, tentar forçar vômito, parar de comer…)! Mas o que mais me chateia é ver que agora, que parei de dançar e ganhei mais peso, eu não curti o meu corpo enquanto ele estava em sua melhor fase! Eu era linda e me fizeram acreditar que era gorda, que não estava bem e que ser gorda é a pior coisa do mundo!


Bruna Bizzotto

Não sou frustrada e acho que parar de dançar foi a melhor escolha da minha vida. Abriu meus horizontes, me fez deixar de abaixar a cabeça pra tudo que me é imposto, me fez reconhecer o meu valor real e entender que sou muito mais do que um corpo que, independente da qualidade do que ele desenvolve e de seu talento, se não está extremamente magro, de nada adianta!

Um beijo Babi! Que você consiga fazer a diferença nesse mundão da dança e em tudo que você se propõe!

Sucesso SEMPRE!”

Quando fiquei sabendo que a Bruna tinha parado de dançar meu coração doeu. Será que se os professores tivessem sido mais conscientes Bruna estaria dançando até hoje? Afinal de contas, o que são 5 quilos? Que medida mágica é essa que torna uma pessoa uma bailarina?

Meu sonho e batalha de hoje é que os professores troquem a frase: “você tem que emagrecer!” ou “você está 5kg acima do peso” por “vamos te encaminhar para uma equipe multidisciplinar composta por profissionais qualificados para medir o seu percentual de gordura, circunferências, flexibilidade, força, testes de sangue e propor um treinamento complementar acompanhado por nutricionista, sem sofrimento, cuidando da sua saúde física e mental, afinal de contas, estamos todos do mesmo lado…”.

Será que isso vai ser possível um dia? O Bastidores foi criado pra isso, mas a batalha é tão longa e intensa! Talvez daqui uns 20 anos eu releia esse post e me sinta orgulhosa por ter conseguido fazer o que a Bruna me incentivou:

“fazer a diferença nesse mundão da dança e em tudo que você se propõe”.


Bruna Bizzotto

Por Bárbara Pessali-Marques

©2020 Bastidores.com direito autoral

Equipe Bastidores

Não estamos por aqui agora. Mas você pode nos enviar um e-mail e entraremos em contato com você o mais rápido possível.

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account

Ensino A Distância

FREE
VIEW